Nosso site usa cookies para melhorar a experiência do usuário e recomendamos aceitar seu uso para aproveitar ao máximo a navegação

Uma equipe de 200 sacerdotes te comentam o Evangelho do dia

Ver outros dias:

Dia Litúrgico: Solenidade do Corpo e do Sangue de Cristo (B)

Evangelho (Mc 14,12-16.22-26): Jesus tomou o pão, pronunciou a bênção, partiu-o e lhes deu, dizendo: «Tomai, isto é o meu corpo». Depois, pegou o cálice, deu graças, passou-o a eles (...). E disse-lhes: «Este é o meu sangue da nova Aliança, que é derramado por muitos». No primeiro dia dos Pães sem fermento, quando se sacrificava o cordeiro pascal, os discípulos perguntaram a Jesus: «Onde queres que façamos os preparativos para comeres a páscoa?» Jesus enviou então dois dos seus discípulos, dizendo-lhes: «Ide à cidade. Um homem carregando uma bilha de água virá ao vosso encontro. Segui-o e dizei ao dono da casa em que ele entrar: ‘O Mestre manda perguntar: Onde está a sala em que posso comer a ceia pascal com os meus discípulos? ’ Ele, então, vos mostrará, no andar de cima, uma grande sala, arrumada. Lá fareis os preparativos para nós!» Os discípulos saíram e foram à cidade. Encontraram tudo como ele tinha dito e prepararam a ceia pascal.

Enquanto estavam comendo, Jesus tomou o pão, pronunciou a bênção, partiu-o e lhes deu, dizendo: «Tomai, isto é o meu corpo». Depois, pegou o cálice, deu graças, passou-o a eles, e todos beberam. E disse-lhes: «Este é o meu sangue da nova Aliança, que é derramado por muitos. Em verdade, não beberei mais do fruto da videira até o dia em que beberei o vinho novo no Reino de Deus».

Depois de cantarem o salmo, saíram para o Monte das Oliveiras

Ilustração: Pili Piñero

Hoje assistimos a uma proeza divina: só Ele tem imaginação e poder suficientes para realiza-la. É incrível! Deus nos ama com tanta loucura que não ficou satisfeito com o sacrifício de seu Filho na cruz: queria nos dar esse sacrifício; Nós podemos comer o Corpo sacrificial do Senhor!

-Isso não é fácil: por isso Jesus se humilhou mais do que na cruz, escondendo-se no pão consagrado e frágil, para ser dividido e dividido ... Sem limites!