Nosso site usa cookies para melhorar a experiência do usuário e recomendamos aceitar seu uso para aproveitar ao máximo a navegação

Uma equipe de 200 sacerdotes te comentam o Evangelho do dia

Ver outros dias:

Dia Litúrgico: Quarta-feira da 3ª semana da Quaresma

Evangelho (Mt 5,17-19): «Não penseis que vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim para abolir, mas para cumprir (…)».

“Fidelidade” e “novidade” na doutrina de Jesus

REDAÇÃO evangeli.net (elaborado com base nos textos de Bento XVI)
(Città del Vaticano, Vaticano)

Hoje analizamos o binómio “fidelidade-novidade” religiosa em Jesus Cristo. Ele orou em perfeita comunhão com Israel e, no entato, Ele mesmo é Israel de um modo novo: a antiga Páscoa aparece como a antecipação da nova Páscoa, que é o próprio Jesus. E a verdadeira “libertação” agora se realiza mediante o seu amor que abarca toda a humanidade.

Se olharmos retrospectivamente o caminho de Jesus, verificamos este traçado de “fidelidade-novidade”: Jesus é “observante”; celebra com os outros as festas judias; ora no templo; cumpre Moisés e os profetas… Mas ao mesmo tempo, tudo se torna novo: desde a sua explicação sobre o sábado, a pureza ritual e a nova interpretação do “Decálogo”, até à purificação do templo, que antecipa o fim do templo de pedra e anuncia o novo Templo, a nova adoração “em espirito e em verdade”.

—Jesus Cristo, fiel à vontade originária de Deus, traz uma mudança decisiva na história das religiões, que se torna realidade na Cruz: começou um culto novo.