Uma equipe de 200 sacerdotes te comentam o Evangelho do dia

Dia Litúrgico: Domingo XII (C) do Tempo Comum

Evangelho (Lc 9,18-24): Jesus estava orando, a sós, e os discípulos estavam com ele. Então, perguntou-lhes: «Quem dizem as multidões que eu sou?». Eles responderam: «Uns dizem que és João Batista; outros, que és Elias; outros ainda acham que algum dos antigos profetas ressuscitou». Mas Jesus perguntou: «E vós, quem dizeis que eu sou?». Pedro respondeu: «O Cristo de Deus». Mas ele advertiu-os para que não contassem isso a ninguém.

E explicou: «É necessário o Filho do Homem sofrer muito e ser rejeitado pelos anciãos, sumos sacerdotes e escribas, ser morto e, no terceiro dia, ressuscitar». Depois, Jesus começou a dizer a todos: «Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome sua cruz, cada dia, e siga-me. Pois quem quiser salvar sua vida a perderá, e quem perder sua vida por causa de mim a salvará».

Comentário: Rev. D. Ferran JARABO i Carbonell (Agullana, Girona, Espanha)

E vós, quem dizeis que eu sou?

Hoje, no Evangelho, Jesus situa-nos ante uma pergunta fundamental. Da sua resposta depende a nossa vida: «E vós, quem dizeis que eu sou?» (Lc 9,20). Pedro respondeu em nome de todos: «O Cristo de Deus». Qual a nossa resposta? Conhecemos suficientemente Jesus para poder responder? A oração, a leitura do Evangelho, a vida sacramental, e a Igreja são as fontes que os levam a conhecê-lo e "vive-lo". Até que não podamos responder com Pedro com todo o coração e a mesma humildade..., com certeza ainda não deixaremos nos transformar por Ele. Devemos sentir como Pedro, temos que lograr sentir como a Igreja para poder responder satisfatoriamente à pergunta de Jesus!

Mas o Evangelho de hoje acaba com uma exortação a seguir ao Senhor desde a humildade, desde a negação e a cruz. Seguir a Jesus deste jeito apenas pode dar salvação, liberdade. «O que acontece com o ouro puro, também acontece com a Igreja; ou seja, quando passar pelo fogo, não fica ruim, ao contrario, acrescenta o seu esplendor» (Santo Ambrosio). Nem a contrariedade, nem a perseguição por causa do Reino, devem-nos dar receio, mas devem ser motivo de esperança e, inclusive da alegria. Dar a vida por Cristo não é perdê-la, é ganhá-la para toda a eternidade. Jesus pede nos humilharmos totalmente por fidelidade ao Evangelho, Ele quer que, livremente, demos-lhe a nossa existência toda. Vale a pena dar a vida pelo Reino!

Seguir, imitar, viver a vida da graça, em fim, permanecer em Deus é o objetivo da nossa vida cristã: «Deus se fez homem para que imitando o exemplo de um homem, o que é possível, cheguemos a Deus, o que antes era impossível» (Santo Agostinho). Que Deus, com a força do seu Espírito Santo, ajude-nos com isso!