Nosso site usa cookies para melhorar a experiência do usuário e recomendamos aceitar seu uso para aproveitar ao máximo a navegação

Uma equipe de 200 sacerdotes te comentam o Evangelho do dia

Ver outros dias:

Dia Litúrgico: 17 de Janeiro: Santo Antão, abade

Evangelho (Mt 19,16-26): Um jovem aproximou-se de Jesus e lhe perguntou: «Que me falta ainda?» Respondeu Jesus: «Se queres ser perfeito, vai, vende teus bens, dá-os aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me!» Naquele tempo, um jovem aproximou-se de Jesus e lhe perguntou: «Mestre, que devo fazer de bom para ter a vida eterna?» Disse-lhe Jesus: «Por que me perguntas a respeito do que se deve fazer de bom? Só Deus é bom. Se queres entrar na vida, observa os mandamentos.» «Quais?», perguntou ele. Jesus respondeu: «Não matarás, não cometerás adultério, não furtarás, não dirás falso testemunho, honra teu pai e tua mãe, amarás teu próximo como a ti mesmo.» Disse-lhe o jovem: «Tenho observado tudo isto desde a minha infância. Que me falta ainda?» Respondeu Jesus: «Se queres ser perfeito, vai, vende teus bens, dá-os aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me!»

Ouvindo estas palavras, o jovem foi embora muito triste, porque possuía muitos bens. Jesus disse então aos seus discípulos: «Em verdade vos declaro: é difícil para um rico entrar no Reino dos céus! Eu vos repito: é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus.» A estas palavras seus discípulos, pasmados, perguntaram: «Quem poderá então salvar-se?» Jesus olhou para eles e disse: «Aos homens isto é impossível, mas a Deus tudo é possível».

Ilustração: Pili Piñero

Hoje, recordamos o exemplo de Sto. Antão (Egipto, 250-356). Depois de dar os seus bens aos pobres, retirou-se para o deserto para levar uma vida de oração e penitência. O seu exemplo converteu muitos outros que o iam ver para lhe pedir conselho ou para partilhar a sua vida. Na verdade, Sto. Antão Abade é considerado o pai fundador dos monges.

- Há desertos e desertos! Quem está apegado às coisas materiais vive num “deserto” improdutivo.