Nosso site usa cookies para melhorar a experiência do usuário e recomendamos aceitar seu uso para aproveitar ao máximo a navegação

Uma equipe de 200 sacerdotes te comentam o Evangelho do dia

Ver outros dias:

Dia Litúrgico: 16 de Setembro: Santos Cornélio, papa, e Cipriano, bispo, mártires

Evangelho (Jo 17,11b-19): Naquele tempo, Jesus, levantando os olhos para o céu, disse: «Pai santo, guarda-os em teu nome, que me encarregaste de fazer conhecer». Naquele tempo, Jesus, levantando os olhos para o céu, disse: «Pai santo, guarda-os em teu nome, que me encarregaste de fazer conhecer, a fim de que sejam um como nós. Enquanto eu estava com eles, eu os guardava em teu nome, que me incumbiste de fazer conhecido. Conservei os que me deste, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura.

»Mas, agora, vou para junto de ti. Dirijo-te esta oração enquanto estou no mundo para que eles tenham a plenitude da minha alegria. Dei-lhes a tua palavra, mas o mundo os odeia, porque eles não são do mundo, como também eu não sou do mundo. Não peço que os tires do mundo, mas sim que os preserves do mal. Eles não são do mundo, como também eu não sou do mundo. Santifica-os pela verdade. A tua palavra é a verdade. Como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. Santifico-me por eles para que também eles sejam santificados pela verdade».

Hoje, celebramos a memória conjunta de dois santos da Igreja primitiva (séc. III). S. Cornélio foi um dos primeiros papas. O seu nome significa “forte como um corno”. E assim foi ele: um papa forte para defender os ensinamentos de Jesus, sobretudo no que se refere ao perdão dos pecados. Um sector da Igreja, encabeçado por Novaciano, pretendia não readmitir nem perdoar aos que tinham fraquejado na fé durante as perseguições (recordemos que Cristo não veio curar os sãos, mas os enfermos).

Pelo seu lado, na África, foi o bispo S. Cipriano que teve de pacificar estas discussões. Cipriano foi severo mas não inflexível com os que tinham “caído” (deixando a fé).

- Precisamos da Igreja! Dizia S. Cipriano: «Não pode ter Deus como pai quem não tem a Igreja como mãe».