Nosso site usa cookies para melhorar a experiência do usuário e recomendamos aceitar seu uso para aproveitar ao máximo a navegação

Uma equipe de 200 sacerdotes te comentam o Evangelho do dia

Ver outros dias:

Dia Litúrgico:

Evangelho (Mt 7,7-11):

«Pedi e se vos dará. Buscai e achareis. Batei e vos será aberto»

Rev. D. Antoni CAROL i Hostench
(Sant Cugat del Vallès, Barcelona, Espanha)

Hoje, como eco de uma antiga tradição ligada à sociedade rural, celebramos liturgicamente um dia de acção de graças a Deus pelos favores que nos concedeu e de petição de ajuda pelos frutos do nosso trabalho nesta nova estação.

Efectivamente, o meio rural por força dos factos, tinha viva consciência de que os frutos colhidos - sem desvalorizar o esforço humano - eram um dom de Deus. Perante os imponderáveis do clima e das circunstâncias do trabalho do campo, o homem era mais consciente de que dependia do bom Deus. Por contraste, o progresso da técnica e do trabalho industrial parece ameaçar esta “memória de Deus”: em não poucos casos, diluiu-se a consciência de dependência de Deus, e o homem corre o risco de se auto-divinizar ao pensar que já não necessita do Criador. Pelo contrário, Jesus disse-nos: «Pedi e se vos dará (...); batei e vos será aberto» (Mt 7,7), que é como se nos dissesse: - Eu te recordarei e te ajudarei, mas preciso de que tu não me esqueças e que não me afastes da tua vida.

Neste sentido, João Paulo II adverte: «É preciso que o homem honre o Criador oferecendo, numa acção de graças e de louvor, tudo o que d’Ele recebeu. O homem não pode perder o sentido desta dívida, que só ele, entre todas as realidades terrestres, pode reconhecer e saldar como criatura feita à imagem e semelhança de Deus».

E como prevenção contra este risco de ingénua “desmemorização”, a oração colecta de hoje convida-nos a dizer: «Senhor Deus, Pai pleno de amor, que deste a nossos pais de Israel uma terra boa e fértil, para que nela encontrassem descanso e bem-estar, e com o mesmo amor nos dás forças para dominar a criação e dela tirar o nosso progresso e o nosso sustento; ao dar graças por todas as tuas maravilhas, pedimos-te que a tua luz nos faça descobrir sempre que foste tu, e não o nosso poder, quem nos deu forças para criar as riquezas da terra».