Nosso site usa cookies para melhorar a experiência do usuário e recomendamos aceitar seu uso para aproveitar ao máximo a navegação

Uma equipe de 200 sacerdotes te comentam o Evangelho do dia

Ver outros dias:

Dia Litúrgico: Domingo III (C) do Advento

Evangelho (Lc 3,10-18): As multidões lhe perguntavam: «Que devemos fazer?» João respondia: «Quem tiver duas túnicas, dê uma a quem não tem; e quem tiver comida, faça o mesmo!» Até alguns publicanos foram para o batismo e perguntaram: «Mestre, que devemos fazer?» Ele respondeu: «Não cobreis nada mais do que foi estabelecido». Alguns soldados também lhe perguntaram: «E nós, que devemos fazer?» João respondeu: «Não maltrateis a ninguém, nem tomeis dinheiro à força; não façais denúncias falsas e contentai-vos com o vosso salário».

Como o povo estivesse na expectativa, todos se perguntavam interiormente se João era ou não o Cristo, e ele respondia a todos: «Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desatar a correia de as suas sandálias. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. Ele traz a pá em sua mão para limpar a eira, a fim de guardar o trigo no celeiro; mas a palha, ele queimará num fogo que não se apaga». Assim e com muitas outras exortações, João anunciava ao povo.

«Virá aquele que é mais forte do que eu»

+ Cardenal Jorge MEJÍA Arquivista e Bibliotecário de la S.R.I.
(Città del Vaticano, Vaticano)

Hoje a Palavra de Deus apresenta-nos, no Advento, o Santo Precursor de Jesus Cristo: São João Batista. Deus Pai dispôs preparar a vinda, quer dizer, o Advento, de seu Filho em nossa carne, nascido da Maria Virgem, «Muitas vezes e de muitos modos», como diz o início da Carta aos Hebreus (1,1). Os patriarcas, os profetas e os reis prepararam a vinda de Jesus.

Vejamos suas duas genealogias, nos Evangelhos de Mateus e Lucas. Ele é filho de Abraão e de Davi. Moisés, Isaías e Jeremias anunciaram seu Advento e descreveram os traços de seu mistério. Mas, São João Batista, como diz a liturgia (Prefácio de sua festa), o assinalou com o dedo e, lhe correspondeu a honra —misteriosamente!— de fazer o Batismo do Senhor. Foi o último testemunho antes da vinda. O foi com sua vida, com sua morte e com sua palavra. Seu nascimento é também anunciado como o de Jesus e, é preparado, segundo o Evangelho de Lucas (caps.1 e 2). E, sua morte de mártir, vítima da debilidade de um rei e do ódio de uma mulher perversa, prepara também a de Jesus. Por isso, ele recebeu a extraordinária louvação do mesmo Jesus que lemos nos Evangelhos de Mateus e de Lucas (cf. Mt 11,11; Lc 7,28): «Em verdade, eu vos digo, entre todos os nascidos de mulher não surgiu quem fosse maior que João Batista. No entanto, o menor no Reino dos Céus é maior do que ele». Ele, diante disso, que não pôde ignorar, é um modelo de humildade: «Eu não sou digno de desatar a correia de as suas sandálias» (Lc 3,16), nos disse hoje. E, segundo São João (3:30): «É necessário que ele cresça, e eu diminua».

Escutemos hoje sua palavra, que nos exorta a compartilhar o que temos e a respeitar a justiça e a dignidade de todos. Preparemo-nos assim para receber Aquele que vem agora para nos salvar e, virá de novo a «julgar os vivos e os mortos».